Filtros Físicos, Protetores Solares Minerais. O que são? A quem se destinam?

A maioria dos protetores solares existentes no mercado combinam filtros físicos e químicos, ou têm exclusivamente filtros químicos. Os filtros físicos foram durante muitos anos reservados para quem fazia alergia aos filtros químicos, devido a deixarem a pele branca ou opaca e terem uma cosmeticidade muito fraca. No entanto, nos últimos anos foram criadas fórmulas mais agradáveis cosmeticamente, com filtros físicos em nanopartículas, que se espalham melhor e não deixam a pele branca, logo, neste momento são uma excelente opção para muitas pessoas, pela sua excelente cosmeticidade e pelas suas grandes vantagens!

Quem deve usar Filtros Físicos ou Protetores Minerais?

  • Crianças com idade inferior a 2 anos, pois como a barreira cutânea ainda é imatura, os filtros químicos podem ter uma ação mais reduzida.
  • Pessoas que fazem alergias aos filtros químicos.
  • Pessoas com pele muito reactiva, atópica ou intolerante.
  • Grávidas.
  • Pessoas com melasma ou com tendência a manchas de pigmentação.
  • Após tratamentos dermatológicos como peelings ou lasers.
  • Doentes Oncológicos.

Podem ser usados em todos os tipos de pele, oleosas, mistas e secas. [Aliás, se forem produtos bons, até deixam a pele oleosa a mista matificada!] Quem tem rosácea, acne pode também usar sem problemas.

Como atuam? São partículas derivadas de metais, que actuam refletindo ou dispersando os raios solares.

Os protetores solares com filtros físicos como o dióxido de titânio e óxido de zinco [os mais usados] demonstraram ser altamente eficazes a proteger da radiação visível, ultravioleta e também infravermelha. Para além disso, são foto-estáveis e não reagem com outros compostos. Não penetram no estrato córneo da pele, logo, não têm ação sistémica. Dióxido de Titânio

O dióxido de titânio é um filtro que protege contra os UVB e UVA II, mas não protege contra os UVA I.

Óxido de Zinco

O óxido de zinco é também um filtro físico presente na maioria dos protetores solares físicos ou minerais. Pela sua segurança, por ser fotoestável e não reactivo. E apesar de não ser tão eficiente na proteção dos UVB como o dióxido de titânio, protege eficazmente contra os UVAI e UVAII. Por isso, é que normalmente, os filtros minerais contêm dióxido de titânio e óxido de zinco, pela sua ação complementar.

Protetores Minerais

1. Isdin Fusion Fluid Mineral 50+ [18€]. Com dióxido de titânio e óxido de zinco. A textura é muito fluida. Espalha-se facilmente e é muito bem absorvido pela pele. Não deixa a pele oleosa ou com brilhos, apesar de não ter ingredientes matificantes. Deve ser agitado antes de aplicar. Indicado para o rosto e para uma proteção diária.

2. Bioderma Photoderm Mineral 50+ Spray [18€]. Com dióxido de titânio e óxido de zinco. Espalha-se facilmente e é muito bem absorvido pela pele. Não deixa a pele oleosa. Deve ser agitado antes de aplicar. Mais adequado para o corpo.
3. Skinceuticals Sheer Mineral UV Defense 50+ [34,80€]. Com dióxido de titânio, óxido de Zinco e Artemia Salina. Um fluido leve, que se espalha muito bem e levemente matificante. Contém um derivado natural de Artemia Salina. Este extrato aumenta as defesas naturais da pele e a sua resistência aos UV e ao calor. Protege contra a destruição do colagénio. Indicado para o rosto e para uma proteção diária.

Dicas!

Reaplicar após o banho e de 3h em 3h se estivermos expostos diretamente ao sol.
Não é necessário esperar meia hora para que comece a fazer efeito, como os protetores químicos. Como funciona por ação física, o efeito é imediato.
A dose correta de protetor solar é 2 mg/cm2 segundo as recomendações da Colipa [Associação Europeia de Cosméticos] que corresponde a uma colher de chá no rosto e 6 colheres de chá no corpo inteiro.